25 de Setembro, aniversário e reflexões

IMG_4310Ontem foi meu aniversário e eu escapei com Curris bicicleta para sant Pere de Rodes em Castelló d’Empuries. Para os que não conhecem, é uma partida de poucos Kms (40 Km), mas com uma forte subida de 7 Km em que passar a 550 metros. O dia estava radiante, o ar puro, as vistas. Foi um passeio ideal. E é que o Outono é uma época para desfrutar da natureza e do esporte. Não faz frio nem calor, as estradas estão mais claras (já não são turistas), as cores da natureza se fazem apreciar a paisagem. Tudo está a favor. Depois da bicicleta, banho de mar na praia de St. Martí d’Empuries e uma boa farra, para dormir, depois, a sesta na praia.

E é que o desporto é para se divertir, para dar vazão à necessidade vital de se mover, de olhar de frente para as coisas, de dar vida ao corpo. E depois, o descanso, o relaxamento, uma boa refeição, uma conversa e risos.

E quais foram os desafios, o treino e o “sofrimento”? Onde ficam?

“Eu estou feliz que me faça essa pergunta…” Sim, é verdade, nós gostamos de desafios, e isso requer uma certa dose de sofrimento, mas não descarta que podemos também desfrutar do esporte e não perder de vista que isto é o mais importante. E aqui é quando, porém, vos digo que o método Phil Maffetone aposta no bom desporto e da boa vida.

Este ano eu tenho alguns desafios e vou treinar e, talvez, sofrer um pouco, mas muito pouco, porque as diretrizes de treino continuarão a ser as mesmas: o Método Phil Maffetone, mas controlada por quem mais sabe sobre isso em Portugal: Ester Machado.

Ester leva mais de 10 anos vivendo sob o método Maffetone, o conhece muito bem, entende, sabe muito bem que os sintomas significam que, reconhece o método como algo totalmente ligado a sua vida. O método Maffetone é um estilo de vida que se constrói pouco a pouco, sabe que o principal é manter a calma ao estresse, a ter hábitos de alimentação saudáveis, que o exercício é praticado por “diversão”, que o sobreentreno não leva a lugar nenhum que não seja a lesão e a lesão ao estresse. Ester é a única pessoa autorizada para traduzir seus livros para o inglês, leva anos para traduzir seus artigos, capítulos de livros de Phil, os mesmos que há um ano e meio vem publicando na Revista Triatlo. Conheça Phil há quatro anos. No caminho do método não existem padrões, cada pessoa é diferente, cada pessoa tolera os alimentos de uma forma e o importante é que cada um compreenda o que lhe está bem e o que deve parar de tomar. A conclusão é que com o método de Phil, ninguém melhor do que você mesmo para saber o que é o que lhe convém, aprender a distinguir, a escolher, a desistir, não é fácil. A qualidade em si é uma diferença grande e eu acho que o método de Maffetone se dá, principalmente, uma qualidade de vida total.

Sant-Pere-de-Rodes

Sant Pere de Rodes, ao fundo o Port de la Selva

Curioso, mas verdadeiro, justo essa semana me encontrei com os amigos e que fazia tempo que não nos víamos e todos me perguntaram o mesmo: “Lourdes, o que você está fazendo? Tem um aspecto super saudável” Parece que ele está escrevendo aqui no blog em plano de marketing, mas foi real. Eu ouvia, informando que a principal coisa que eu mudei foi o sono, durmo a cada dia, 7 horas aconteça o que acontecer, porque pode vir o Pai de Roma, que eu às 22:30 estou na cama, e às 23:00, com a luz apagada. Ter feito essa mudança com rigor e mantê-lo como religião me dá muito equilíbrio. Como algo a cada três horas e tente não ficar estressado demais, dar prioridade ao que tem, o que não vai para a lista de coisas por fazer, e eu faço isso, mas em ordem de prioridade. E faço exercício, como mínimo, uma hora por dia. Isto é a base, mas com muita perseverança, adicionando-o à vida como algo natural.

Tudo parece muito idílico, mas também tenho de dizer que a guerra ao carboidrato está lá, não acabei de ganhá-lo. Já disse a Ester, que lhe dou prioridade para não ficar estressado demais e desde o verão até dezembro, é muito complicado levar uma alimentação rigorosa, decidi fazer seis meses e seis meses. Eu sei que é fundamental se alimentar de uma melhor e mais adequada maneira, mas isso farei de janeiro a julho e de agosto a Dezembro darei um pouco de rédea solta ao carboidrato, alguma vez, algum panuco, em fim… Até que de forma natural estes alimentos que não me sentir tão bem, mas que eu gosto mais do que ninguém, se vão afastando progressivamente, sem traumas. Não sou capaz de ter a disciplina de ter vida social que se gera à volta de uma mesa e não participar, o que me gera muito estresse e como o ponto principal é manter o estresse ao pé da letra, pois eu deixo-me ir um pouco. Em janeiro será outra coisa.

Em fim, que começa uma nova temporada, que eu quero seguir gostado do esporte e, se possível, melhorar meus hábitos alimentares. Já vou explicar.

Leave a Reply