“A step over”… Um passo à frente

Um dos elementos fundamentalmente enriquecedores que tem de viajar ao longo da temporada é discernir entre diferentes aspectos de magnitude sociocultural entre o meu país (Portugal) e o resto dos lugares do globo que visito. Isso permite posicionar diferentes perspectivas e, no que me diz respeito, facilita-me saber que fatores sócio-culturais ficam por desenvolver em Portugal. Um dos que mais me impactou foi o baixo percentual de participação da mulher em atividades esportivas… Por exemplo, ontem, na prova que conteste em Atlanta (Peachtree), correram 60000 atletas e 30000 eram mulheres. Este 50% ainda é maior na Austrália (54%). No Brasil não chegamos a 20%…

Quero que observem esta foto com cuidado, pois acho que quando eu lhes contar a história que há por trás da mesma, vão ficar surpreendidos.

Nova campanha publicitária do City Bank

Nova campanha publicitária do CitiBank

Observem também esta foto…

Campanha de Atletas Olímpicos e Paralímpicos de BP nos Estados Unidos

Campanha publicitária da BP nos Estados Unidos da américa para Londres 2012

O fenômeno que, em matéria de publicidade várias empresas internacionais estão levando a cabo em países como os Estados Unidos, é chamado de processo inclusivo. Basicamente, essas empresas se envolvem em suas campanhas publicitárias para atletas com e sem deficiência e, isso lhes permite gerar um aumento notório na melhoria de sua imagem social, posto que em matéria de publicidade a sensibilidade é uma ferramenta fundamental na hora de vender o produto para o espectador e já me dirão vocês que imagem mais sensível que a de um atleta (mulher), que disputa uma maratona com os seus braços e que há alguns meses estava em minha cama, recuperando-se de uma (amputações, lesão medular, etc…).

O caso Pistorius e sua participação na Olimpíada surpreende a todos, mas dentro de 20 anos essa inclusividad será total, é mais, eu sou da vertente que defende uma única Olimpíada… distorcesse grupos sociais, é discriminatório e isso foi comentado e em vários fóruns e congressos universitários, além disso, que me expliquem de onde “bolas” surge o termo Paraolímpico, que nem sequer Paralímpico… Onde se encontrava a antiga civilização Helena o templo de Paralimpia?”…

Não entrarei em sua casa, a polemizar sobre este caso e os estudos que a IAAF encarregou como primária total ao Dr. d cooke na Universidade alemã de Colônia… suas análises biomecânicos e fisiológicos evidenciaram que as variáveis biomecânicas e fisiológicas discernían totalmente de qualquer quatrocentista…. “Que legal este d cooke, considerando que compara a um atleta com outro o que lhe falta 1/4 parte da musculatura corporal”… você vai Deixar de correr diferente? O deixarão suas células musculares de ter algumas necessidades de nutrientes e de oxigênio para diferentes das de um florentino convencional?”… Espero que em alguns anos que o referido termo convencional seja abolido.

Um pequeno passo para o homem e um grande passo para a humanidade

Um pequeno passo para o homem e um grande passo para a humanidade

Como disse há umas linhas nessas fotos vemos a outra vertente da linha de futuro (presente já nas sociedades anglo-saxónicas) de publicidade e marketing… Aquela que se apoia no processo inclusivo… nestas semanas nos Estados Unidos eu vi até a saciedade esse anúncio de BP onde aparecem figuras do esporte norte-americano, com e sem deficiência, mas o que se observa, sem distinção alguma, a todos os desportistas. A financeira CitiBank com sede em Nova York e estendida a mais de uma centena de países, não só baseia as suas campanhas publicitárias com atletas sem deficiência, como a atleta norte-americana “Allyson Felix”, mas que, este ano, demonstrou a sua intenção de fazer crescer a sua imagem social com a atleta em cadeira de rodas e vencedora entre outras da Maratona de Nova York “Amanda Mcgrory”.

Lembro-me de nas temporadas (2007-08 e 2008-09) quando eu tinha um contrato com o Patronato de Turismo da Câmara Municipal de Coimbra e levei a marca Costa Branca como embaixador da minha terra a muitos lugares do planeta… então, Pau Gasol (Barcelona), cujo contrato de Costa Blanca já dilapidaba todos os pedaços de bolo do esporte alicantino e o resto de atletas desse lugar recogíamos migalhas (vá paradoxo), como dizia as campanhas de Costa Branca só se realizavam com o ilustre e grande jogador de basquete e por toda a parte se via essa campanha, onde as crianças na praia pareciam essa barba carismática… o Meu pelo então representante e amigo Eduardo Grimal lhes tratava de explicar uma e outra vez que uma imagem de Santi em uma competição no aeroporto de florianópolis, atraiu muito a atenção do turista e realçaria a imagem social de Coimbra…, aparentemente, não acreditaram e ignoraram Edu, é mais, considero esse patrocínio como uma obra de caridade, pois nunca se usou minha imagem para nada… Pois bem, os responsáveis do então Conselho de curadores, eu recomendo que olhem a foto seguinte, a qual se encontra presente em todos e em cada um dos aeroportos do território canadense…

Michelle Stilwen imagem de Petro Canada

Michelle Stilwel e o Comitê Paralímpico Canadense são a aposta da Petro Canada

Se, pois, em muitos casos, a sociedade espanhola é sinônimo de progresso e prosperidade… em outros continuamos presos às cadeias do passado…

Melhores cumprimentos,

Santiago Sanz (Professional cadeira de rodas athlete)
Sport Sciences Degree
Researcher on physiological parameters under moderate and extreme hypoxia

Twitter @santirun

Leave a Reply