Andar rápido reduz o risco de demência

Um estudo recente do Centro Médico de Boston, nos estados unidos. Nos EUA, diz que a velocidade em que você caminha de adulto pode indicar o risco de desenvolver demência ou infarto cerebral ao chegar à terceira idade.

As pessoas que andam em ritmo rápido são as que melhor saúde cerebral têm no futuro, o bom deste estudo é que dá aos médicos uma forma simples de saber o risco de deterioração mental das pessoas, sem passar por testes caras e irritantes.

O caso é que a pesquisa trabalhou com 2.400 pessoas de ambos os sexos, com uma média de 60 anos, e as que maior velocidade tinham por andar e mais força ao pegar com as mãos apresentavam uma melhor função cognitiva, nos 11 anos que durou a pesquisa. A maior força de aderência nas mãos, 42% dos participantes apresentaram um menor risco de acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório.

E ao contrário, as pessoas que caminhavam devagar, e tinham pouca força nas mãos, tinham cerca de 1,5 vezes mais risco de desenvolver demência. Além disso, o ritmo lento associava-se a um menor volume cerebral, menos memória e destreza com o uso da linguagem e a tomada de decisões.

O caso é que esses estudos mostram algo lógico, que todos nós sabemos, sem ter passado pela Universidade: quando vemos uma pessoa andar depressa, especialmente se for maior, assumimos que está em forma, tem um estilo de vida ativo, para além de pressa! certamente, têm muitas coisas que fazer no dia e aproveitam o tempo andando rápido de um lugar para outro.

Em nossa sociedade temos perdido o costume de andar, agora até para ir para o pão pegar o carro, e isso é pior do que andar devagar, mas devemos analisar o que caminhar é uma forma natural e humana de se mover, alcançamos o bipedismo, entrando em pé sobre as duas pernas e avançar com as mãos livres. Se andarmos depressa, queimamos mais calorias, conseguimos não só perder peso, também para que chegue mais oxigênio para o cérebro e que nossas artérias limpas de gorduras prejudiciais. Andar nos fez humanos, e devemos reivindicar o nosso direito de andar com mais passeios, pavimentos, caminhos e cidades ecosaludables que favoreçam que se vá a pé de um lugar para outro em vez de ir de carro… ou, pelo menos, que se possa andar de bicicleta para se locomover.

Muitas pessoas mais me perguntam o que podem fazer para perder peso, entre eles meus pais. Eu sempre digo o mesmo: ANDAR pelo menos uma hora por dia, a melhor hora e meia, e se não há tempo, melhor negociar a saída a andar em duas ou três viagens por dia: 20 minutos no início da manhã, 20 minutos depois de comer e 20 minutos depois de um jantar. Eu sei que custa, aos meus pais o que eu digo, e até que não chega o bom tempo que não o fazem, mas sabem que sempre funciona e que perdem peso quando o fazem, e é que, apesar de que comer saudável habitualmente, quanto deixam de andar voltam a recuperar quilos e tem que cuidar-se mais.

E ainda há mais, neste artigo também se referem à força de aderência com as mãos… mas na imprensa, só se ficou a ideia de andar rápido, mas este dado é importante. Lembrei-Me de minha avó, que morreu aos 99 anos, com uma saúde maravilhosa… Ela sempre se encarregava de fechar os frascos de compotas e conservas de tomates caseiros cada verão… e abri-los depois, ninguém ganhava um pulso, tinha muita força nas mãos. Também andava todos os dias, o povo a chamava de ‘a correndera’ pelo rápido que estava. Um dia quebrou o quadril e em quanto ficou parada, foi perdendo força e faísca mental… mas enquanto pôde andar, manteve a cabeça em seu site, a saúde perfeita e uma filosofia de vida que nos surpreendeu a todos pela sua coragem e a sua forma prática de focar os problemas… A verdade é que nunca fez uma maratona ou escalar uma montanha, mas passou uma guerra, e pertenceu a uma geração que teve que trabalhar muito no campo para avançar com a família. Era uma mulher muito forte de corpo e mente.

Com isso a minha reflexão desta semana é que, às vezes, as coisas mais simples e comuns são as que melhor cuidam da saúde. Eu deveríamos nos dar um passeio para pensar um pouco sobre elas!

Leave a Reply