Armstrong versus Livestrong | A vida é o melhor esporte

Os que me conhecem sabem que o projeto de Livestrong sempre gostei especialmente. Eu tenho a minha t-shirt de correr Livestrong com o nome de meus filhos gravado por trás, o capacete de ir em bicicleta, os óculos, as luvas…o Admirador de Armstrong? Eu preferia que ele estabeleceu Beloki ou Escartín no Tour, mas eu sempre pensei que as vitórias de Lance tinham um plus: a esperança que vocês têm dado a milhares de pessoas (e seus familiares) de doentes de câncer. Se ele conseguiu, eu também. E qualquer médico lhe diz que o primeiro passo para curar a si mesmo é acreditar que você pode obtê-lo e lutar por isso. Ser capaz de dar esperança a quem não vê saída para o meu vale mais do que os 500 milhões de dólares que Livestrong tem se dedicado à luta contra o câncer.
Como eu Me sinto desapontado por sua confissão de doping? Seria hipócrita se dissesse que me surpreendeu um caso de doping em uma década em que o ciclismo esteve (que já não está fora de controle. Quais teriam sido os resultados dos mesmos com todo o mundo limpo? Certamente. Por isso, mais do que a armadilha esportiva, o pior são as mentiras, as pressões para as pessoas, a arrogância…
Meu filho Javier leva a pulseira Livestrong. Tinha apenas cinco anos quando o Lance ganhou o seu último Tour. Para ele Armstrong é como Michael Jordan, um atleta desses que estão na Wikipédia e dos que o pai lhe conta histórias. Curiosamente, vendo com muita atenção a famosa entrevista de Oprah Winfrey e ao terminar me perguntou se eu achava que se deveria tirar a pulseira. “Se a honestidade dos 7 Tours de Armstrong, quítatela; se o faz porque se sente esportista e quer mostrar que você apoia as pessoas que tem câncer, leve-o orgulhoso”.
Cada dia estou mais convencido de que os atletas temos que esquecer os resultados e ver mais a cara solidária. Por isso, este mês, mudando minha foto habitual desta página, quero expressar o meu total apoio à iniciativa de Correr 1km+ que capitanean Martín Fiz e José Luis Gómez Alciturri. Diante deles o desafio da Maratona de Sables, a corrida mais dura do mundo e enfrentam a ele, com a motivação de estar ajudando a Cruz Vermelha em seus esforços de apoio aos desempregados de longa duração e as crianças com fracasso escolar devido aos problemas económicos que há em suas casas. Este mês na revista damos-lhe a opção de obter a t-shirt de Correr 1km+ e que, assim, também tu corras esse quilômetro que faz a diferença. Para provar que com pulseira amarela ou sem ela os atletas podemos (e devemos) contribuir para que esta sociedade seja mais solidária, tenha cultura de esforço e espírito de equipe.

Por Fran Cara
@franchicosport

Mais informação sobre o número de Sport Life de fevereiro http://www.sportlife.es/deportes/articulo/ya-esta-a-la-venta-el-numero-de-febrero-de-sportlife

Leave a Reply