Começamos 2017 | Preparando um Ironman com Phil Maffetone

Depois de estar sob a tutela do método de Phil durante os últimos dois anos longos, chego a um ponto de reflexão, como costuma acontecer no mês de janeiro.

Lembro-me deixar cair lágrimas de crocodilo por quão difícil era viver sob o método de Phil no início. O ambiente não ajuda em tudo, e lembro-me até ter me irritado com ele, porque lhe dizia : “eu tenho uma vida de cão”, tinha TUDO é proibido por dizer de alguma forma que a alimentação se referia, que ninguém queria treinar comigo 129 pulsação, e sentia que a vida me fez “bulling” com o seu método. Mas continuei e não eu larguei até saber, com conhecimento de causa o que era isso de viver sob o método de Phil.

Vejo as pessoas da minha idade, mais jovens e as que me tiram 15 ou mais anos e tenho de dizer, eu saio com um triunfo enorme ao vê-las, e ver-me. Não entendo por que a lesão é aceita como algo normal, é um sintoma de estar fazendo algo errado. De fato, o corpo avisa. De momento, não tenho lesionado, posso enfrentar qualquer desafio que me proponha e o meu estado de saúde é muito maior do que para o resto das pessoas com as quais convivo.

Para que se entenda, de momento, não tenho febre, sintoma de estar com a saúde nestes dias onde cair, cair, todas as pessoas com algum resfriado ou diretamente a gripe se apodera de nós. É como algo aceito sim ou sim devemos passar.

Outro sintoma que me chama muito a atenção é a cor da pele das pessoas. Isso tem me perto. Desculpe, mas eu vejo muito pouca bochecha rosadita, vejo peles cinzentas ou amarelas diretamente. Sintoma que muito saudável também não devem estar destas pessoas.

Vou somando detalhes deste estilo ao fazer a reflexão e penso em como nos enganaram. Sim, fazer esporte não é autolesionarte, não é tomar alimentação processada onde nos querem vender “magia” de tomar géis e produtos processados ou cheios de açúcar, não é sobreentreno, não é treinar sem sentido comum, não é de se lançar a um desafio sem questione se é possível fazê-lo no ambiente em que cada um vive, quantas famílias não têm ido ao garrete por causa da obsessão do Ironman? Por que ninguém faz ver os influencers com atitudes totalmente autodestrutivas que isso não é ser exemplo, que fazem muito dano? Há tantos detalhes, sintomas de que fazemos mal as coisas, só posso dizer que é necessário um alto no caminho, cada um devemos ir ao cantinho da meditação e pensar: Como, quando podemos, e de que forma queremos fazer os desafios?

Agora vivo do que 75% sob o método de Phil, eu sei que há muito que aprender, cada um é intransferível a uma determinada linha. É um mesmo o que tem de descobrir que é um sim e um NÃO absoluto, eu tenho muitas coisas que antes tomava habitualmente e que agora se as tomasse seria mulher morta em cinco minutos.

Há que polir muitos aspectos. Mas levar esta alimentação sem açúcar, sem carboidratos (alguém cai e vai continuar caindo) mas de uma forma consciente, o que isso muda totalmente a consequência, mais que nada porque a limitar. Adicionar gorduras saudáveis e ter multiplicado por 20 a ingestão de vegetais faz com que me sinta muito mais energética, que não tem cansaço, há muito que não sinto cansaço. É assim, o soponcio de depois da refeição, não existe. Tendo compreendido que dormir as 7 ou 8 horas é simplesmente indispensável para afastar o stress, para estar em equilíbrio, para poder viver o dia-a-dia, sem que seja uma tortura por acumular cansaço.

A qualidade de vida que se adquire é imensa e isso quando o conhece torna-se mais sedutor. Se empodera a viver a vida muito mais leve, sem lastro e isso não tem preço, ter saúde vale todas as medalhas do mundo de Interrompeu com que você possa chegar a pendurar do pescoço.

#Justforfun #philmaffetone

Leave a Reply