Correr com o móvel | Fitness Sport Life

Correr ouvindo música é uma boa idéia, sair a correr segurando o leitor na mão já não é tanto. Algo que parece insignificante como levar um objeto na mão, pode se tornar uma autêntica influência negativa para a mecânica, perdendo eficácia e, desde então, gerando padrões errados e de compensação.

Há alguns dias saí a correr, por um desses sites que não gosto nada, mas não havia alternativa, assim que eu peguei meu ipod e me dei uma corrida suave o típico passeio marítimo de qualquer cidade no verão, ao pôr-do-sol. Além de famílias de todo o tipo, tinha muita gente correndo por aí como eu.

Acho que é por deformação profissional me fixo nos padrões posturais que apresenta as pessoas ao correr, diz muito sobre eles. Mas desta vez fui muito consciente de que é negativo que resulta para a mecânica da corrida levar algo na mão, mesmo que seja um simples ipod. Foi apenas ao ver uma menina quando me dei conta de que pode afetar não levar um certo movimento contralateral das mãos.

As mulheres apresentam uma anca mais larga e isso afeta a mecânica da marcha, e, sobretudo, na carreira; existe um balanço da pélvis, perna de apoio leva joelho para o interior, gera uma instabilidade no tornozelo… mas se a isto juntamos uma interferência na função que executa o trem superior com o movimento dos braços, o efeito negativo da marcha aumenta.

Você se lembra da final de 100 metros na Olimpíada? Você fijaste no desenvolvimento muscular que apresentam os velocistas no trem superior? Se observaste o movimento em câmera lenta apreciarías o movimento vivo e intenso dos braços. Graças a este movimento do trem superior, as pernas podem ter mais estabilidade e gerar muita mais potência ao colocar em ação as grandes cadeias musculares. Você pode imaginar um atleta correndo, sem mover os braços? Pois, da mesma forma influencia em uma carreira mais lenta, a uma escala menor, mas com mais tempo.

Quando restamos movimento de um dos braços por usar um objeto como o telefone ou uma garrafa de água, o que estamos fazendo é gerar um desequilíbrio na carreira, adotamos um padrão que compense a falta de estabilidade do movimento do braço. Depois de várias sessões, podem aparecer já desequilíbrios musculares por sobrecargas ou o que é pior, a aquisição e automação de padrões de circulação errados com compensações mecânicas que podem ser lesivos a médio e longo prazo.

Meu conselho é que se você levar o leitor de música, seja o telefone ou um simples ipod, ou se você ganha uma garrafa pequena de água, levar o sujeito à cintura ou no braço com algum sistema de fixação. Desta forma, não vai influenciar a mecânica de sua carreira, terá a sua sessão de exercício e você não terá problemas a médio e longo prazo.

Leave a Reply