Correr, de ser uma atividade chata a ser uma paixão

Existem atividades que, a priori, nos lançam para trás, as que dizemos que nunca vamos transformá-los em um hobby… até que acontece. Correr era uma delas para mim. Quando praticava ginástica esportiva entre os 11 e os 16 anos, correr faz parte de minha formação e eu gostava de sair a correr sozinha. Na época, não podia correr com música, porque tivesse que puxar walkman e é bastante desconfortável levá-lo no bolso do agasalho.

Quando eu deixei de fazer ginástica e comecei na universidade, correr, começou a aborrecer-me, dava-me muita preguiça e comecei a nadar, até que me lesioné o manguito há quatro anos. Nadar havia se transformado em uma atividade em que eu mergulhava em um mundo paralelo, eu aislaba acusticamente do mundo e meditar com cada braçada. Saía da água, como nova.

Patri1Assim, por causa da lesão do ombro, comecei a correr, como quem não quer a coisa. Corria com indiferença porque tinha associado que não era engraçado e me asfixiaba imediatamente. Mas quando você é apaixonada e comprometida, ocorre que, você acaba de encontrar a forma de fisgá-lo para o que você faz. E de repente eu me vi correndo, com o cão, sozinha, com amigas e com meu amor. E o melhor de tudo, disfrutándolo muito. Tanto, que agora não saio a correr e, quando tenho tempo, mas que tento ordenar minha agenda para que a corrida seja uma prioridade.

Como se transforma uma atividade a priori chato em algo prioritário em sua vida?

Primeiro, você tem que dar um tempo. Qualquer atividade em que se inicia, a menos que te enamores de ela à primeira vista, requer paciência e investir tempo. Você está saindo da área confortável e ao princípio há sensações de cansaço, de não estar à altura, de dúvidas, de sua continuidade, de se és capaz de ajustar a sua rotina, você parece desajeitado e mal aguantas alguns minutos correndo. Temos que dar-nos uma margem. Um tempo de nos tornarmos úteis e capazes.

O segundo, decora correr com outros aspectos atraentes. Esses enfeites não os vais precisar quando estiver engatado, mas, no início, ajudam. Se você gosta de ouvir música, faça isso, se você gosta de natureza, procura um parque bonito, compra-se roupa esportiva mona para correr, você se sentir atraente ou sexy. O primeiro dia em que saí a correr eu prometo que eu coloquei as malhas que tinha de quando corria com 16 anos. Eu tive a sorte de não mudar de tamanho, salvo quando parecia Dom Pin-Coloque durante a minha gravidez. Mas claro, essas malhas estavam bem desbotadas. E no quarto dia em que você acoplado também começa a apetecerte ver-te boa para correr. Que se flores, cores, camisetas fosforito tops, tops, uma motivação a mais. Eu corro sem música porque eu gosto de ouvir a fricção de meus sapatos, com o tierrecilla do caminho com cada pedalada, procuro parques porque eu não gosto muito de asfalto e me divirto muito com a selfie que eu faço com meu cachorro, quando acabei de correr. Correr agora é algo mais.

Patri2

Terceiro, são dores musculares, não se está destartalando. Identifica os sintomas negativos e reinterprétalos. São dores musculares, não é gripe; é o meu coração batendo, não vai me dar um infarto; é cansaço, não é falta de habilidade. Muitas vezes, o que nos faz sentir bem ou mal é fruto da interpretação que fazemos. Assim que tenta ver o lado positivo de tudo o que você faz.

Casa, concentre-se nas sensações. A pedalada, o braceo, sentir-se forte, ver como você é capaz de correr mais e cada vez mais rápido, a sua superação dia-a-dia é muito evidente no running. A respiração, a paisagem, a sensação de bem-estar quando você chegar cansado, chuveiro quente, depois de passar um pouco de frio correndo. Embriaga-te nestes prazeres, para que correr é algo apaixonante. Se você está pendente do cansaço e da preguiça e deixar de valorizar os aspectos positivos, é muito difícil contratar.

Quinto, busca um companheiro de atividade e cumplicidade. Correr com alguém é mais divertido e aumenta o seu compromisso. Há pessoas que não se importam fallarse a si mesmas, mas lhes custa muito fallarle a um terceiro. Correr com alguém, a um ritmo adequado, permite falar, rir, compartilhar dores musculares e conquistas, competir. É um fator motivacional mais.

Se você é dos que rejeitar as coisas antes de tentar, se você faz juízos de valor sobre a sua incapacidade, a sua falta de tempo, o próprio tédio da tarefa, apesar de que você adoraria ser um daqueles que fica louco correndo, se uma margem de três semanas. Teste e, em seguida, decidir. A maioria de vocês vai continuar saindo a correr.

Leave a Reply