O arqueiro sem braços cujas setas marcam o caminho

Tenho que reconhecer que não estou seguindo muito por televisão, dos Jogos Paralímpicos. Os horários muitas vezes começado cedo também não ajudam. O que, sim, eu estou lendo bastante desses grandes atletas que estão no Rio a correr. Na minha opinião, se o que procura é de atletas exemplares, pessoas que nos mostrar os verdadeiros valores do esporte em estado puro, os Jogos Paraolímpicos são muito mais interessantes que os jogos Olímpicos em que o marketing e o negócio dos espalham-se um pouco.

mattok
Entre os exemplos de superação vos quero falar hoje de Matt. Há quatro anos em Londres foi a grande sensação. A gente não podia imaginar que essa pessoa sem braços, dirigia-se para competir no tiro com arco. Mas o americano Matt Stutzman, 33 anos, conquistou a medalha de prata segurar o arco com o pé direito, o que levava a uma espécie de chicote, e disparou a flecha, com a boca perante a incredulidade dos presentes. No Rio não teve tanta sorte, já que caiu por um só ponto na rodada de qualificação.
Matt nasceu sem braços (a possibilidade de esta deformação é de uma entre 350.000). Seus pais biológicos dedicieron dar em adoção, quando Matz tinha apenas 4 meses. Depois de passar pelo orfanato, uma família de Iowa, os Stutzman, o adaptaram com 13 meses.
O curioso de seu início, o tiro com arco é que o fez porque queria levar para casa. “Não tinha emprego e estava deprimido. Um dia eu tive uma idéia, pegar um arco e caçar um animal para levar comida para casa. Coloquei no google “como caçar sem braços, com um arco” e não vinha nada. Assim que eu fiz com a minha própria fórmula e rápido, porque eu era o desejo de levar a comida para os meus filhos”. Há sete anos, viu pela primeira vez a um torneio de tiro com arco. “À primeira, o juiz que vi, perguntei onde estava os outros arqueiros sem braços. “Nunca vi nenhum”, respondeu ela”.

Até um ano antes, em um torneio de tiro com arco em Las Vegas, não tinha nem ouvido falar dos Paraolímpicos. E apenas um ano mais tarde, em Londres, tornou-se um de seus atletas mais famosos e um verdadeiro exemplo de motivação que sempre permanece fiel ao lema com o que vai por a meça: “impossível é apenas um estado mental”.

@franchicosport

Leave a Reply